• Quando os dedos se vão

    Existe um ditado que diz: vão-se os anéis e ficam os dedos. O significado básico é que quando se perde algo material, preserva-se o que realmente importa....

    Existe um ditado que diz: vão-se os anéis e ficam os dedos. O significado básico é que quando se perde algo material, preserva-se o que realmente importa. Mas, infelizmente, nem sempre é possível salvar o dedo, ou os dedos. A vida as vezes nos impõe situações, ou nós mesmos nos colocamos diante delas, onde perdemos bem mais do que anéis. E quando isso acontece? e quando o que perdemos não é apenas bem material? É parte de nós? É um dos nossos? O que fazer? Como seguir a diante sem uma parte de si?

    As interrogações são muitas e as respostas são difíceis, mas existem e o propósito delas, somente o tempo será capaz de nos mostrar por completo.

    As vezes na vida somos confrontados com situações extremas que nos causam dor dilacerante, seja física, seja na alma, e que até nos depararmos com ela, tínhamos a certeza que não seríamos capazes de suportar. Quando a situação se apresenta, aí ficamos sem a escolha. Não tem saída. Nem a esquerda, muito menos a direita. O único caminho é ir em frente.

    De repente uma força estranha te surpreende e você chega por instante a duvidar que é você mesmo enfrentando aquela situação, aquela dor, aquela perda, aquele anel, aquele dedo.

    Quem nunca passou por situação semelhante? Quem nunca se superou? Quem nunca se surpreendeu consigo mesmo? Quem nunca surpreendeu aqueles ao seu redor?

    Acredito que tudo na vida tem um propósito. As vezes ele se apresenta imediatamente. As vezes a médio prazo e as vezes a dúvida e a certeza são levadas contigo até seu último suspiro, mas desconfio que ninguém nunca partiu sem ter compreendido o real motivo de tudo que lhe aconteceu na vida e percebe que o que não lhe matou, lhe tornou mais forte.

    As vezes, inexplicavelmente, é preciso perder um pedaço de nós, para nos sentirmos completos. As vezes buscamos a felicidade tão longe, sem perceber que ela existe é dentro de nós mesmo e a vezes, Deus é tão generoso contigo, que te permite perder algo mais valioso que um anel de brilhante, para que tu der valor ao que realmente importa.

    Não importa se você perdeu o anel, ou o dedo. Se há ar nos teus pulmões, consciência em teu cérebro e sangue nas tuas veias, você é capaz de se superar, se surpreender, surpreender o mundo.

    Você é capaz de reescrever tua história com os dedos que te sobraram e quem sabe inspirar outras pessoas que perderam apenas os anéis ou que não perderam nada, mas perdem oportunidades únicas na vida, lamentando por aquilo que acham que perderam.

    Resista. Surpreenda. Siga.

    Neste artigo

    Participe da conversa