• CPI do osso e a fratura exposta na Saúde de JP

    O vereador Bruno Farias (PPS), líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa, está defendo a criação de uma CPI para apurar supostas irregularidades no Hospital...

    O vereador Bruno Farias (PPS), líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa, está defendo a criação de uma CPI para apurar supostas irregularidades no Hospital de Ortotrauma, o Traumiha. O vereador achou estranho que um dos sócios de uma empresa que fornece órteses e próteses para o Hospital tenha como sócio um senhor com o mesmo sobrenome do diretor clínico do equipamento.

     

    Segundo o vereador, a empresa tem como sócio administrador Marcos Augusto Cordeiro dos Santos, que coincidentemente tem o mesmo sobrenome do diretor clínico do hospital, Jorge Augusto Cordeiro dos Santos. “Não sei se esse cidadão é parente de Jorge Augusto Cordeiro dos Santos, mas ambos têm, coincidentemente, o mesmo sobrenome e são do mesmo estado, Pernambuco”, alertou Bruno.

     

    A empresa faturou entre 2013 e 2015, nada mais, nada menos que R$ 6,3 milhões.

    O vereador denuncia ainda que o diretor do hospital recebe um surpersalário que chega a R$ 59 mil para trabalhar três dias por semana, quando por ser diretor, deveria estar lá todo dia.

     

    Se a CPI for instalada e examinar direitinho o paciente (a saúde de João Pessoa), o diagnóstico pode ser de fratura exposta.

    Neste artigo

    Participe da conversa