• Denunciante da operação Cartola já tentou tomar terreno da Igreja e herança dos irmãos

    A Polícia Civil da Paraíba e o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público sacudiu o mundo do futebol da Paraíba hoje...

    A Polícia Civil da Paraíba e o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público sacudiu o mundo do futebol da Paraíba hoje com uma mega-operação para apuração de possíveis crimes cometidos por uma organização criminosa que seria composta por membros da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Comissão Estadual de Arbitragem da Paraíba (Ceaf), Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol da Paraíba (TJDF/PB) e dirigentes de clubes profissionais (os cartolas).

     

    O principal denunciante do possível esquema é o vice-presidente da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Nosmam Barreiro, o mesmo que tentou dar um golpe para tomar a presidência da entidade enquanto o presidente Amadeu Rodrigues chefiava uma delegação da CBF fora do país.

     

    Mas esse com certeza é um dos menores pecados praticados pelo vice-presidente da FPF. Na sua terra natal, Itaporanga, ele já tentou tomar na tora um terreno pertencente a paróquia de Nossa Senhora da Conceição, que jurava de pé junto ser dele. Depois de sucessivas derrotas em várias instâncias da justiça, ele acabou encerrando o processo, e terreno continuou com a igreja.

     

    Outro pecado de Nosnam foi contra a própria família. Enganou o pai para assinar um documento passando todos os bens da família para ele e para mais dois irmãos de fora do casamento. Desta vez, além da briga na justiça, Barreto enfrentou também a ira dos irmãos, que lhe deram  uma coça que quase mata.

     

    Pois bem, um homem que atenta contra a igreja e a família, imagina o que faria com o nosso combalido futebol?

     

    Deus nos livre.

    Neste artigo

  • Participe da conversa