• A deselegância e o radicalismo da oposição

    A oposição na Paraíba patinou nos últimos quatro anos com um discurso enfadonho batendo numa tecla só. Discurso esse que não se contrapôs ao trabalho liderado pelo...

    A oposição na Paraíba patinou nos últimos quatro anos com um discurso enfadonho batendo numa tecla só. Discurso esse que não se contrapôs ao trabalho liderado pelo governador Ricardo Coutinho, já que o seu candidato a sucessão sagrou-se vitorioso ainda no primeiro turno obtendo mais de 58% dos votos.

     

    Pois bem. Após o resultado das eleições e com muitas caras novas integrando a nova bancada, esperava-se que a oposição fizesse uma avaliação da resposta que o povo da Paraíba deu ao seu trabalho, já que a situação além de vencer a eleição majoritária, fez ampla maioria também no legislativo.

     

    Na primeira oportunidade que se apresentou para a oposição demonstrar que entendeu o recado das urnas em 2018, falhou.

     

    Ontem, durante a posse do governador João Azevêdo (PSB), a oposição demonstrou seu radicalismo e sua deselegância, ao não comparecer ao ato. Nenhum deputado oposicionista compareceu a solenidade, que se registre trata-se de uma sessão da Assembleia Legislativa e uma das mais importantes da legislatura, numa clara tentativa de boicote.

     

    Porém, não fosse o olhar atento deste que vos escreve e de mais um ou outro mais chegado ao tema político, ninguém sentiu falta da oposição.

    Neste artigo

  • Participe da conversa