10
Mar
2017

21:00

Ricardo sofre retaliação do Palácio do Planalto durante inauguração da Transposição

Quase passou despercebido o boicote sofrido pelo governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), durante solenidade de inauguração do Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco na cidade de Monteiro. Os mais atentos perceberam que a NBR, emissora oficial do governo federal, que transmite as solenidades com participação do presidente da República, alegou problemas técnicos e não transmitiu a solenidade toda, mostrando até o momento dos discursos do ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho e do senador Cássio Cunha Lima.

 

Curiosamente, o problema técnico aconteceu no momento do discurso do governador Ricardo Coutinho.

 

Outro fato que demonstra o boicote, foi o fato de prefeitos da região do Cariri, aliados do governador foram excluídos da solenidade. Lembrando que a lista dos convidados foi fechado pelo Palácio do Planalto e pela Prefeitura de Monteiro, comandada pelo deputado João Henrique (DEM).

 

O governador Ricardo Coutinho ganhou destaque no cenário nacional no ano passado por encabeçar um movimento contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, fato que não aceitado pelos aliados do presidente da República, Michel Temer.

 

No seu discurso, Ricardo disse também que a Transposição é um duro golpe no coronelismo político, os antigos e o modernos, que se benefícia com a seca. Ele também "condenou os que não acreditavam na obra e fizeram terrorismo com a falta de agua em Campina Grande". 

 

Coutinho reconheceu a postura e os esforços do ministro da Integração, Helder Barbalho, e do presidente Temer, mas ratificou que os governos Lula e Dilma foram os grandes responsáveis pela concretização da obra. 

Fonte: Marcos Wéric

Compartilhar

Todos do comentários (1)

Maurilio | 31/12/1969

O quer este cidadão foi fazer em Monteiro se a festa era golpista ,ele queria aparecer em uma obra do governo temer ,viva o golpe

Faça seu comentário



Publicidade

Enquete

A decisão do TSE de livrar Dilma e Temer da cassação foi:

Publicidade