• Eleição da Unimed: chapa da situação troca integrantes e revela trapalhada

    Para quem prega tanto orgulho de planejamento, gestão, foco e etc., a Situação na Unimed-JP vai ter muito trabalho para explicar aos cooperados a trapalhada, para não...

    Para quem prega tanto orgulho de planejamento, gestão, foco e etc., a Situação na Unimed-JP vai ter muito trabalho para explicar aos cooperados a trapalhada, para não dizer falta de boa-fé, que foi a formação da chapa 1 que disputa a eleição. A chapa da situação vai ter um prejuízo danado para refazer todo material de campanha, já que teve que mudar praticamente toda chapa a menos de 15 dias da eleição.

    Entenda

     

    A Chapa 1, da situação, inscreveu três nomes de forma irregular, já que segundo o Estatuto da Unimed, os cooperados que exercem cargos comissionados não podem votar, nem ser votado. Mas pasmem, mesmo tendo o presidente da Comissão Eleitora, Mário Toscano, que comandou a redação do Estatuto, a chapa 1, inscreveu três nomes irregulares, inclusive o próprio Mário Toscano.

     

    A Chapa 3, encabeçada pelo médico Gualter Ramalho, e que tem a ex-secretária de Saúde de João Pessoa, Aleuda Nágila, como diretora administrativa, impugnou os nomes irregulares, claro, já que em qualquer eleição, o mínimo que os concorrentes tem que fazer é respeitas as regras que regem o pleito.

     

    A comissão eleitoral marcou para este sábado uma reunião com representantes das chapas para, provavelmente, deferir a impugnação dos nomes, mas coincidentemente, a chapa 1, resolveu não pagar o mico na frente da comissão, e um dia antes do encontro, pagou o mico pela internet ao divulgar a alteração na chapa.

     

    Saíram os nomes que estavam irregulares, Alexandrina Lopes, Gláucio Nóbrega e Mário Toscano, Diretora Administrativa, Gestor Superintendente e Gestor Provimento de Saúde, respectivamente. Eles foram substituídos por Lúcia Gadelha, Marco Cesar e Alexandre Araruna, também respectivamente.

     

    Além disso, o atual presidente, Alexandre Magno, que registrou em cartório a promessa de não disputar a reeleição, agora vai disputar a eleição como integrante do conselho Administrativo.

     

    Ou seja, parece que toda autoconfiança que predominou na chapa 1 até agora, deu lugar a uma enorme luz amarela. 

    Fonte: Marcos Wéric

    Neste artigo




  • Participe da conversa