• Profissionais que dominam inglês têm maiores salários e mais oportunidades

    Profissionais que dominam o inglês podem ter um salário maior que aqueles que não falam o idioma. Segundo pesquisa salarial feita pela Catho, site de busca de empregos, dominar...

    Profissionais que dominam o inglês podem ter um salário maior que aqueles que não falam o idioma. Segundo pesquisa salarial feita pela Catho, site de busca de empregos, dominar o idioma mais falado no mundo é um grande diferencial no currículo na hora de conseguir uma colocação e pode aumentar o salário em até 61%, principalmente em cargos de coordenação.

    O motivo é que ainda é difícil encontrar profissionais que tenham um segundo idioma. Em relação ao inglês, por exemplo, apenas 5% dos brasileiros dominam a língua, segundo dados de uma pesquisa de 2013, do British Council.

    “O mundo está conectado por meio do inglês. É a língua dos negócios e saber se comunicar nesse idioma pode ser uma vantagem competitiva na hora de conseguir um emprego ou ter uma promoção”, afirma a especialista em Recursos Humanos, Raquel Arena.

    O segundo idioma também é importante para o estudo. A universidade é o primeiro passo para desenvolver uma carreira de sucesso e saber falar inglês, espanhol ou outra língua ajuda a aproveitar ao máximo esse período, já que o estudante pode ter acesso a artigos e livros publicados em outros idiomas e também se candidatar a programas de intercâmbio em universidades estrangeiras. Além disso, fica mais fácil ingressar em programas de pesquisa.

    Para Gustavo Sousa, diretor do Yázigi Ruy Carneiro, o inglês é referência para a comunicação no mundo, tanto para negócios, quanto para o estudo e lazer. “Quem não domina o idioma, perde chances de estudo, trabalho e de se comunicar em um mundo globalizado”, alerta.

    O mercado oferece várias modalidades para quem quer iniciar ou aperfeiçoar os estudos. “As opções são variadas, de acordo com as necessidades do aluno. Temos cursos para crianças a partir de 3 anos, jovens, adultos, para quem quer e preparar para um teste de proficiência, morar em outro país, fazer mestrado e doutorado, entre outras opções”,  destaca Gustavo Sousa.

    Neste artigo




  • Participe da conversa